Prefeito Antônio França: O silencio diante de um duro trabalho, contra a calamidade de seu povo.

Foto: Assessoria de comunicação do município


Por: Geovane Leal , Coluna GS3 NOTÍCIAS.

Pedreiras, assim como o Brasil, está vivenciando esses últimos dias um estado de calamidade pública com os problemas ocasionados pela COVID -19 (coronavírus). Em todo país a cada instante há uma manifestação de prefeitos, governadores e do presidente da República, e notamos que em dados momentos seus pronunciamentos foram mais políticos do que de fato em busca de resolução ou até mesmo acalmar a população que tem vivido entre o medo e a esperança de vencer o vírus que tem matado muitas pessoas em todo o mundo.

Publicidade


 Em algumas cidades houveram pedidos e decretos de vários prefeitos suspendendo diversas  atividades com a finalidade de fazer isolamento social e domiciliar da população. Alguns até mesmo se excederam, chamaram atenção; outro chegou a insanidade de abrir uma vala na entrada da cidade a pretexto de parar possíveis portadores do vírus. Muita gente usou e abusou do perigo do coronavírus para pegar uma caroninha visando Outubro de 2020.


 Mas em Pedreiras foi diferente, e mesmo boa parte da população não respeitando o pedido do gestor e das autoridades sanitárias, a reação do prefeito Antônio França foi digna do cargo que hora exerce, que requer responsabilidade e equilíbrio.

Por aqui quando foi necessário sua imagem ser visível ele pareceu para tranquilizar seu povo. Quando espalharam a notícia de que ninguém entrava e nem saia da cidade, França usou a mídia para informar que era barreira de proteção sanitária para obter informações sobre as pessoas que vinham de outros estados.
Barreira de proteção sanitária


Sobre a histeria de  caso suspeito, o gestor deixou que a secretária de Saúde se pronunciasse, afinal ela quem tem conhecimento da área, assim as informações foram dadas e mais uma vez a população foi tranquilizada.

Foto: Assessoria de comunicação do município

até quando foi necessário usar a força, a força usada foi da comunicação por via de um carro de som que acompanhava a guarda municipal orientando o pedreirense a se recolher em seus domicílios.
Guarda municipal com carro de som informando 
a  população sobre a necessidade de ficar em casa

Outro problema grave em que notamos claramente gestos de respeito e amor ao próximo foi a atitude do prefeito e toda equipe coordenada por ele para atender aos desabrigados pelas cheias do Rio Mearim, às pessoas que tiveram suas residências invadidas pelas águas e foram rapidamente atendidos pelos servidores da prefeitura e os parceiros.


Foram feitas as mudanças e acolhimentos em abrigos, e além disso,  continuam sendo atendidos com os mais diversos serviços como saúde, alimentação, higiene e limpeza.



A cada ação era vista a figura não somente do gestor, havia mais que isso: era e continua sendo a visão do cidadão que olha atentamente o povo de origem humilde assim como ele, onde não havia como se locomover lá estava prefeito e seus auxiliares caminhando para levar solução em meio aos grandes problemas. Obrigação? Sim é claro! Em outros tempos apenas auxiliares iriam arriscar suas próprias vidas, os gestores acompanhavam dos seus confortáveis gabinetes.



Nessa matéria especial buscamos relatar com responsabilidade a ação humana e sem uso político e de mídia para autopromoção com o sofrimento do povo.

Publicidade



Nosso reconhecimento ao  prefeito de Pedreiras e toda sua equipe montada para combate a pandemia e que com muita bravura, continuam cuidando especialmente dos ribeirinhos, que sofrem todos os anos com as cheias do nosso rio.




2 comentários:

  1. Kkkkk Aproveitando está é ele!!! Que passou 3 anos sem fazer nada e agora que posar de gestor!!!!

    ResponderExcluir
  2. Sem uso político?? Totalmente tendenciosa. As informações não são claras ,ninguém informa nada no município a respeito dos casos suspeitos que há dias esperam resultado de exames. Barreira sanitária, não é perguntar de onde vc vem e pra onde vai!!! O hospital não tem nem remédio para dor, resultado da má gestão. É ainda diz que se faz bom trabalho?

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.